Gestão Passiva ou Gestão Ativa: Qual a Melhor?

Overclub Falily Office

Gestão Passiva ou Gestão Ativa o que é? Qual a melhor para os seus investimentos?

Antes de falar sobre gestão passiva ou gestão ativa eu queria falar um pouquinho sobre alguns tipos de investidores.

Vamos dar um passo para trás, segundo Benjamin Graham que escreveu a obra-prima chamada Investidor Inteligente e segundo, nada a menos que Warren Buffet que de longe é o melhor livro de investimentos já escrito, ele fala que existem dois tipos de investidores inteligentes: investidor defensivo e investidor empreendedor.

Se preferir, ouça o Podcast

Se preferir, assista ao vídeo

Qual a diferença entre esses dois investidores inteligentes?

Investidor Defensivo

O investidor defensivo é basicamente aquela pessoa que não tem o tempo necessário para acompanhar o mercado, para estudar a fundo e usar horas e horas do seu dia a fim de estudar muito forte.

Então se ele não tem esse tempo, ele entende que é mais fácil e mais inteligente que o investidor seja defensivo, que é aquele investidor que vai ter no seu portfólio uma atitude mais conservadora perante o mercado.

Ele diz que é como se sua carteira de investimentos, os seus ativos fossem um castelo. Imagine que no seu castelo com muralhas altas e o fosso vão proteger você de barreira de entrada, ou seja, você tem empresas no seu portfólio que vão proteger de entrada de algum outro entrante no mercado e também essa diversificação em empresas que, por exemplo, não vão ter problemas com empresas que são muito atingidas por efeitos governamentais, entre outros fatores, mas ele entende que esta atitude é uma atitude interessante para ser um investidor defensivo e que você não tem prejuízo no retorno de longo prazo.

Investidor Empreendedor

Vou falar um pouco sobre o investidor empreendedor, mas não necessariamente ele tem um resultado mais interessante que o investidor defensivo.

O que o investidor empreendedor faz? Ele tem uma postura mais agressiva perante o mercado, a ideia do investidor empreendedor é realmente estudar, ter um tempo para pesquisar, principalmente para monitorar de uma forma ininterrupta que você consiga de fato pegar diversas informações sobre a empresa que você está estudando com o objetivo de, talvez, ter um resultado mais interessante do que o investidor passivo.

Porém não é uma garantia, no livro ele não consegue afirmar que o investidor empreendedor vai ter um resultado maior do que investidor defensivo, apesar de ser este o objetivo de quando você se torna investidor empreendedor.

Mas o que o livro fala de fato é que se você for um investidor que fica no meio termo, aquela pessoa que às vezes é um investidor com uma característica defensiva, às vezes um investidor empreendedor, ou seja, você não é empreendedor o tempo inteiro, aí sim é comprovado que você tem uma alta probabilidade de ter um resultado ruim e abaixo do investidor defensivo.

Sem Tempo para Acompanhar o Mercado

Se você não é um profissional do mercado financeiro ou não tem tanto tempo para acompanhar o mercado de uma maneira forte, intensa e frequente, provavelmente a melhor solução, segundo Benjamin Graham, é que você seja um investidor passivo, essa é uma das alternativas.

A outra alternativa é que você contrate alguém para ser um investidor empreendedor para você e que ele possa fazer , aí sim, a gestão ativa em busca de um retorno maior. Será que vale a pena?

Prós e Contras da Gestão Ativa e da Gestão Passiva

Vamos ver quais são os prós e contras de fazer uma gestão ativa ou de fazer uma gestão passiva, mais similar ao que o investidor defensivo deveria fazer.

Gestão Passiva

O que é gestão passiva? Gestão passiva é o tipo de gestão que procura entregar de retorno e acompanhar um determinado referencial.

Por exemplo, se a gente pega vários fundos de renda fixa no Brasil, eles acompanham o CDI. O CDI é o referencial. Então se você tem um fundo passivo, a ideia desse fundo é que ele acompanhe de perto a rentabilidade e a variação do CDI. Assim como você pode ter um fundo passivo de bolsa de valores que provavelmente ele vai querer acompanhar o Ibovespa.

Então o fundo passivo é basicamente isso, ele faz sentido para o investidor que o Benjamin Graham fala que seja um investidor defensivo, porque o investimento passivo de uma certa maneira, entra no que o Benjamin Graham fala com diversificação, empresas grande, a gente tá falando do Ibovespa, então estamos falando de uma das maiores empresas do Brasil, empresas sólidas.

Se estamos falando do CDI também estamos falando de um índice muito bem aceito, a menor taxa de juros possível que um banco pode emprestar, então a gente está falando de investimentos diversificados e com um grau de segurança alto, então se encaixa bastante para o investidor passivo.

Gestão Ativa

Gestão Ativa é completamente ao contrário, o gestor vai querer simplesmente montar uma estratégia de investimento para bater o referencial. Então se o referencial é o Ibovespa a ideia é que ele renda mais que o Ibovespa. Se o referencial é o CDI a ideia é que ele renda mais do que o CDI.

Tanto na gestão ativa quanto na gestão passiva você tem prós e contras, talvez o maior pró de uma gestão ativa seja que ela pode proporcionar, pelo menos esse é o intuito, uma rentabilidade maior do que uma estratégia passiva que replique o mercado como um todo, por exemplo.

Em contrapartida a gestão ativa, por você ter um gestor, por você ter essa predisposição de estar o tempo inteiro olhando para o mercado, pesquisando, monitorando, o custo é maior do que simplesmente fazer uma alocação passiva, ou seja, na alocação passiva um dos benefícios é você não ter que pensar muito, é você replicar o mercado e ter um custo menor.

Agora a pergunta que fica é: será que vale a pena pagar para alguém fazer uma gestão ativa em busca de um retorno maior ou será que esse custo não compensa e seria melhor para o investidor fazer isso?

Bom, eu peguei um estudo aqui no Brasil para mostrar para vocês o que aconteceu nos últimos vinte e poucos anos nesta diferença gestão ativa e gestão passiva.

Para fazer essa comparação, vamos falar sobre bolsa de valores e comparar com o Ibovespa, será que os fundo ativos tiveram uma performance mais interessante ao longo do tempo.

Então a gente pegou o índice IQT (Índice Quantum Tipo) e uma média ponderada dos fundos ativos, desde 1997 até final de 2020 e a performance, o retorno que esse índice teve comparativamente com o Ibovespa foi muito maior, foi mais de cinco vezes, 5,4% de vezes maior do que o Ibovespa, dizendo que aqui no Brasil, pelo menos, os bons fundos, esse índice é composto por vários fundos ativos, mas de uma forma geral e estatisticamente uma gestão ativa no mercado de ações ele faz sentido.

Se for pegar o resultado aqui, deu uma diferença de quase 20% ao ano, se a gente falar em rentabilidade anualizada, de quase 20% para esses fundos ativos para 12% do Ibovespa, ou seja, uma senhora diferença.

Gestão Ativa ou Gestão Passiva

Um bom exemplo de como uma gestão ativa, principalmente renda variável, pode te levar a patamares de rentabilidade bem superiores é o exemplo do fundo Dynamo que talvez seja o maior caso de eficiência em gestão ativa no Brasil.

Então se for comparar esse fundo com o que o Ibovespa rendeu e o que esse fundo rendeu desde 1997, que é exatamente de onde tem esse estudo, você vai ver que o Dynamo entregou mais de 23% de rentabilidade enquanto o Ibovespa ficou em 11%.

Eu tenho um bom exemplo, mas nem todo fundo ativo é bom. Como eu disse, apesar dos bons fundos de gestão ativa proporcionarem uma possibilidade de um retorno mais interessante do que a média do mercado, pelo menos historicamente é isso que aconteceu desde 1997, nem todos os fundos de gestão ativa são interessantes.

Principalmente quando você foca nos grandes bancos, eles têm fundos que são ativos e que mesmo assim entregam um resultado bem abaixo do seu referencial. Esse (imagem) é um exemplo de fundo do Itaú.

Gestão Ativa ou Gestão Passiva

A ideia dele era superar o referencial Ibovespa, mas você pode ver que nada feito, então nem todo fundo ativo é bom, tome cuidado se você for querer fazer uma gestão ativa no seu portfólio porque o tiro pode sair pela culatra.

Lembra que no começo eu falei que o investidor defensivo também é um investidor inteligente e que ele pode ter retornos extremamente interessantes no longo prazo também e não necessariamente o investidor empreendedor vai ter um resultado melhor, então, é muito mais fácil, a gente falou um pouquinho sobre custos que o investidor passivo tem custos menores no seu investimento, mas aqui no Brasil, ainda assim, as vezes é difícil fazer uma estratégia passiva eficiente, ou seja, o que uma gestão passiva se propõe a fazer? Acompanhar o referencial.

Então se ela acompanha o referencial, ela cumpre seu papel, se ela não acompanha o referencial, ela não cumpriu seu papel. E aqui no Brasil a gente tem diversos investimentos, então vou pegar o exemplo de um fundo do Santander de renda fixa que o objetivo dele deveria ser simplesmente conseguir acompanhar o seu referencial.

Gestão Ativa ou Gestão Passiva

Como vocês podem olhar, ele não consegue nem entregar metade desse referencial, se o CDI hoje está por volta de 2% esse tipo de investimento entregaria para você 1% tirando o imposto de renda e a inflação, esse tipo de investimento te dá retorno negativo, ou seja, pule fora o quanto antes.

Gestão Ativa ou Gestão Passiva

O outro exemplo, se a gente for falar de bolsa de valores, é esse exemplo do Bradesco, de um fundo que a ideia era simplesmente replicar o índice, no caso Ibovespa, e ele nem sequer consegue fazer isso.

Lembra que o gestor deste fundo não tem trabalho nenhum, ele só precisa comprar as mesmas ações que tem no índice e mesmo assim esses fundos não conseguem entregar e isso porque ele cobram taxas extremamente altas.

Esse fundo do Bradesco, inclusive, tem uma taxa de 1,5% simplesmente para comprar as mesmas ações do índice, só que hoje, os brasileiros também têm acesso ao melhor veículo e a melhor ferramenta para se fazer uma gestão passiva, que são os ETFs (Exchange Traded Funds).

Gestão Ativa ou Gestão Passiva

Então ao invés de cobrar 1,5% para você estar exposto ao mercado de uma maneira passiva através de um desses fundos, existem os ETFs. Então para você ter uma ideia o BOVA11 que é um ETF da BlackRock ele custa, ao invés de 1,5% que o banco cobra normalmente, simplesmente 0,3% ao ano e você consegue replicar todo o índice Ibovespa.

Você tem também o IVVB11 que é um outro tipo de ETF que você consegue replicar a bolsa o SP500, o conjunto das quinhentas maiores empresas aqui no Brasil e você paga somente 0,24% ao ano, olha a diferença de custo.

Esse sim, vão ser artifícios e veículos que vão conseguir que você seja um bom investidor defensivo para conseguir ter uma estratégia passiva organizada e que seja eficiente, que ele consiga acompanhar o referencial.

Para vocês terem uma ideia, nos Estados Unidos existe mais de 6 mil ETFs e lá você consegue replicar, por exemplo, o SP e ao invés de pagar 0,30% ou 0,24%, lá eles cobram só 0,03% que é o caso do VOO que também é um ETF que acompanha o SP500.

Conclusão

Falamos sobre os tipos de investidores inteligentes que existem que segundo Benjamin Graham que é o investidor defensivo e o investidor empreendedor. Falamos sobre as diferenças desses dois tipos de investidores inteligentes e que não dá para chegar a nenhuma conclusão que o investidor empreendedor terá ao longo do tempo um resultado mais interessante que o investidor defensivo.

O que dá para afirmar segundo o livro, é que o investidor que fica no meio termo, aquele que ora quer ser investidor defensivo, ora quer ser investidor empreendedor, tem um resultado pior que o investidor defensivo ao longo do tempo.

Falamos sobre gestão ativa e gestão passiva e as diferenças desses dois tipos de gestão e qual seria a melhor estratégia para você fazer aqui no país, então estatisticamente falando, hoje nós podemos afirmar que os bons fundos de gestão ativa conseguem, em sua maioria, bater o seu referencial e cumprir com seu papel que é entregar resultado maior que o referencial, lembrando que isso só serve para os bons fundos e não para todos. Demos exemplos dos fundos do Itaú e do Dynamo.

Falamos da Gestão Passiva e que não tem nada de errado você ser um investidor defensivo e fazer uma gestão passiva, mas mesmo assim aqui no Brasil você ainda tem que tomar um pouco de cuidado porque existe vários fundos que se quer conseguem bater o referencial simplesmente porque têm uma taxa maior, mas existe uma estrutura chamada ETF que você consegue replicar o mercado, fazer uma excelente gestão passiva porque seu custo é quase nada.

E você, se considera um investidor passivo (ou defensivo como diz Graham) ou você está mais para o lado do investidor empreendedor? Ou pior, se você está no meio do caminho, ou seja, ainda não se definiu e cada hora faz um pouquinho que teoricamente não é o correto.

Deixe seu comentário aqui para eu saber! Se inscreva no canal do Youtube e acesse nossas redes socias!

Leia também: Offshore: A Importância da Diversificação de Investimentos

 

Fale Conosco

Compartilhe:

Publicado por

Walter Moreira Neto, CFP®

Graduado pela Macquarie University (Business) e Masters em International Business pelo International College of Management Sydney (ICMS), morou em Shanghai, China, onde concluiu sua tese "Real Estate in China" pela Fudan University.
Sócio-fundador do Overclub Family Office e Ryde Corretora de seguros, é Consultor de Valores Mobiliários autorizado pela Comissão de Valores Mobiliários (CVM) e Planejador Financeiro, CFP®️

Overclub Falily Office

Deixe um Comentário