4 vieses comportamentais que devemos evitar ao investir

Postado em
Overclub Falily Office

Se eu te perguntar quanto é 2 + 2, provavelmente você vai chegar muito rápido na resposta correta 4. Agora, se eu te perguntar quanto é 37 + 46 – sem olhar em nenhum lugar – provavelmente você não chegará na resposta, que é 83, de maneira tão rápida quanto na primeira situação.

A forma que o cérebro utilizou para chegar na primeira resposta e na segunda resposta funciona de maneira diferente. A primeira forma é responsável pela criação de vieses comportamentais, que apesar de muito bons para o dia a dia, para tomada de decisão, ela pode ser extremamente prejudicial em algumas situações para o investidor. O tema de hoje é justamente esse: O que são vieses comportamentais, quais são os principais vieses inimigos do investidor e o que você deve fazer para evitá-los.

Se preferir, assista ao vídeo

O que é um viés comportamental?

Bom, nós vamos falar um pouquinho sobre esses vieses comportamentais. O cérebro humano de uma certa forma é preguiçoso, e os vieses comportamentais são justamente atalhos mentais que o cérebro utiliza para tomar decisões de uma maneira muito mais fácil, para que você não fique gastando tempo e energia para fazer cálculos complexos a fim de chegar numa determinada decisão.

Aliás, dois cientistas Amos (Tversky) e Daniel Kahneman escreveram um livro justamente para tentar entender o porquê o ser humano prefere chegar numa boa solução ao invés de chegar à melhor solução possível.

E esses dois cientistas demonstraram que existem duas formas de pensar e eles colocaram o nome de sistema 1 e sistema 2. O sistema 1 é o sistema de preferência do cérebro, um sistema automático, rápido, baseado em associações e emoções.  Quando eu te pergunto, por exemplo, 2+2, você rapidamente chega na conclusão correta.  O sistema 2, que é um sistema muito mais analítico, um sistema de cálculo baseado em regras, e que despende muito mais energia e tempo para chegar numa boa solução.

Exemplos de sistema dois seriam, por exemplo, achar uma mulher de cabelo branco dentro de uma multidão. Ou identificar algum risco de crédito de uma empresa numa análise do balanço dessa empresa, ou seja, você precisa de muito mais tempo para conseguir olhar e entender a situação. Normalmente, para você chegar a uma informação correta, você deveria utilizar o sistema 2, que é muito mais confiável, pois você para um tempo e analisa para chegar na resposta correta. Entretanto o interessante é que 90% das decisões que os seres humanos tomam são baseadas no sistema 1, que é muito mais reativo, e como vimos, relacionado à associações e emoções, de uma forma automática.

Atalhos mentais

E por que os seres humanos criaram esses atalhos mentais?  Isso vem lá da pré-história, visto que antigamente os homens das cavernas não conseguiam, quando ouviram um rugido muito alto, por exemplo, parar e fazer uma análise para descobrir se o som vinha de um animal indefeso ou não. Eles simplesmente associavam que na última situação em que eles ouviram o rugido parecido e chegaram perto do animal, quase perderam uma perna. Então, é melhor correr. Ouviu o rugido, foge. Por conta disso, pensamos muito com esses atalhos mentais do sistema 1.

Esses atalhos mentais não são de todo mal. Aliás, é importante que, por exemplo, em caso da sua casa pegar fogo você reaja correndo. Eles servem para muitas coisas e facilitam muito a tomada de decisão no nosso dia a dia. Ninguém tem como ficar pensando o tempo inteiro e como vai tomar uma decisão simples, “se vai virar para direita ou para esquerda” É importante que tomemos decisões mais rápidas no dia a dia e economizemos um pouco dessa energia, lembrando que nosso cérebro é preguiçoso. O problema vem quando nós somos reativos demais. É aí que começa a morar o perigo.

E esses atalhos mentais criam o que nós chamamos de vieses comportamentais, que são alguns vieses específicos que conseguimos entender e catalogar, e perceber que eles estão presentes em alguns momentos nas decisões que nós tomamos. Vou colocar abaixo alguns vieses que existem e o que podemos fazer para evitar.

Viés comportamental da disponibilidade

O primeiro viés é o da disponibilidade: quanto maior a probabilidade de você lembrar, quanto mais fácil for lembrar-se de um determinado evento, maior seria a probabilidade de aquele evento acontecer.

Por exemplo: imagine que ontem teve um grande acidente aéreo, que foi amplamente divulgado na mídia.  Se te perguntassem se você se sente confortável em viajar em um avião exatamente na mesma marca, modelo e companhia que teve o acidente aéreo ontem, provavelmente você diria que se sentiria inseguro e não gostaria de fazer a viagem neste avião, afinal é super perigoso.

Mas isso não é verdade, visto que se você for olhar a estatística de acidentes aéreos, você vai ver que a aviação é um dos meios de transporte mais seguros que existem, mas você tomou essa decisão a partir do seu sistema 1, baseado no viés comportamental da disponibilidade.

E como o viés da disponibilidade pode afetar os seus investimentos?

Hoje tem muita notícia, os meios de comunicação são muito amplos, aliás é até melhor ser uma boa pessoa para entender o que não absorver de informação, do que absorver, pois tem muita informação rodando por aí.

Mas vamos pegar um exemplo:  em julho de 2016 a Tesla, fabricante de carros elétricos, onde você não precisa necessariamente de um motorista para dirigir, sofreu o primeiro acidente fatal com vítima, pois o veículo que dirigia sem necessidade de motorista falhou e essa pessoa morreu.

Se te perguntassem neste dia se você estaria disposto a investir numa empresa que faz carros elétricos que não necessitam de motorista para conduzir provavelmente sua resposta seria “você está louco, este carro é muito perigoso e isso nunca vai dar certo”, ou “Os Robôs vão tomar conta do mundo”, qualquer tipo de coisa assim.

Mas provavelmente, se você tomar esta decisão, independentemente se foi uma decisão acertada ou não, seria tomada provavelmente baseada nesse viés da disponibilidade, ao invés de sentar e fazer uma conta, analisar a empresa e fazer o dever de casa necessário para saber se era ou não um bom investimento independente desse acidente fatal, que deve ter sido muito divulgado na mídia.  De lá para cá de 2016 até o presente momento, quem investiu r$ 100000 na Tesla teria 3 milhões e meio de reais, ou seja, não foi um investimento tão ruim assim.

E como não cair nesse viés de disponibilidade?

A primeira coisa é lembrar que os vieses estarão presentes, ou provavelmente estarão presentes a todo o momento, e cabe a você entender e identificá-los. Então esse viés da disponibilidade pensa o seguinte: o papel da mídia é noticiar aquilo que acontece e vender notícias.

Vender notícia ruim é muito mais lucrativo do que vender notícias boas. Abra seu blog de notícias e veja na capa se a primeira notícia será uma notícia positiva ou negativa.  Então, você terá notícias negativas o tempo inteiro. Saiba que isso existe, saiba se aquela notícia tem algum impacto relevante para o que você quer fazer, analise e estude.

Vou dar um exemplo, se estiver na capa e uma manchete ”empresa x cai 30% após negar o pagamento de dividendos pelo terceiro ano consecutivo”. Talvez as ações tenham caído 30% mas isso não queira dizer nada.

Se você fizer uma análise, talvez a empresa seja extremamente lucrativa e essa empresa simplesmente está retendo lucro para reinvestir no próprio negócio, que vai se transformar num retorno para os acionistas muito melhor lá na frente. Então é muito importante entender onde você está, entender que notícias você está lendo para saber se de fato aquilo é relacionado ao viés de disponibilidade.

Viés comportamental da ancoragem

Outro grande viés comportamental que está bastante presente no mundo dos investimentos é o viés da ancoragem, este diz que o ser humano tende a confiar na primeira informação recebida para tomar julgamentos posteriores.

Por exemplo, se eu te perguntar agora se você imagina que a população da Tailândia é maior ou menor do que cinco milhões, o que você me diria?  E se eu te perguntasse logo em seguida, quanto você estima que seja a população da Tailândia?  Provavelmente você vai falar algum número próximo desses 5 milhões que foi justamente a âncora que eu criei, só que essa âncora foi baseada simplesmente em nada, pois a população da Tailândia gira em torno de 70 milhões.

Então normalmente, as pessoas pegam essa primeira informação como uma âncora e a partir dela conseguem colocar um número próximo a isso, e esse tipo de ancoragem, esse tipo de viés está bastante presente no mercado financeiro nos seus investimentos.

Mais exemplos da ancoragem

Um outro exemplo de ancoragem é:  Estamos em 2022, ano de copa do mundo, e vamos supor que você precisa de uma televisão para assistir aos jogos.  Você vai à loja e vê na vitrine uma televisão de uma marca boa, com uma imagem e qualidade interessantes que custa em torno de R$2500.

Essa é a única referência que você tem, se você não for uma pessoa que conhece bem sobre televisões.  Vamos supor que o vendedor dessa loja vire para você e diga o seguinte: “justamente hoje nós estamos com uma promoção para Copa do Mundo, onde de R$2500 essa televisão está custando R$2000″.  Parece ser um excelente negócio, pois a única referência que nós temos é o preço de R$2500, onde R$500 de desconto parece um ótimo negócio, mas não necessariamente é.

Pode até ser um ótimo negócio, mas você não fez a conta e a análise correta para saber se de fato o era. Simplesmente o processo decisório baseou-se na ancoragem em R$2500. Isso aconteceu justamente agora comigo, fui viajar, acabei de voltar da minha lua de mel e tinha um vendedor querendo vender um determinado produto para nós por 1.500 Dirham, que é a moeda local dos Emirados Árabes.

Por sorte eu tinha feito um tour com um guia que me disse que o valor ideal deveria ser menos de 200, por volta de 150 , então eu consegui negociar. De 1500 nós reduzimos o preço para 150 Dirham, quando fechamos o negócio. Mas é muito comum que bons vendedores utilizem essa técnica da ancoragem para conseguir vender por um preço mais coerente.

E como o viés da ancoragem pode afetar os seus investimentos?

Alguns devem lembrar das empresas do Eike Batista e muitos também devem lembrar da OGX, que era uma empresa petrolífera dele que hoje não vale mais nada. Bom, teve um relatório do Bradesco, naquela ocasião que dizia que as ações da OGX Iriam bater o Upside de R$26,50, pois a OGX havia encontrado um novo poço de petróleo.

Neste caso, 26,50 foi a ancoragem, então muitas pessoas, quando estavam rondando na casa dos R$23,00 achavam que deviam esperar até os R$26,50 para poder vender, ou quando elas caíssem para 20,19, R$18,00, que foi o que aconteceu na situação, vocês poderiam falar “vou esperar bater os R$26,50 e aí eu vendo”.  Isso nunca aconteceu, então se você tivesse nessa ancoragem, se tivesse seguido esse relatório do Bradesco, provavelmente você não teria mais nada hoje, pois essa ação não vale mais nada. Essa empresa nem existe mais, até mudou de nome.

E como não cair nesse viés da ancoragem?

Primeiramente, saiba o motivo pelo qual você fez aquele investimento, ou pelo menos contrate alguém que saiba o motivo pelo qual você fez esse investimento.  Digo isso pois preço é muito diferente de valor. O preço de tela, o preço de negociação dos ativos financeiros, às vezes ou por alguns momentos, não tem relação nenhuma com o valor daquele investimento.  Por alguns momentos você pode ter um preço de uma ação muito desvalorizado, enquanto o valor daquele investimento permanece intacto.  Por isso é muito importante você saber o motivo pelo qual investiu para não se assustar e não ter como âncora um determinado valor para saber se você vende ou se compra.

Então uma determinada ação simplesmente pode ter caído de preço, pois tem mais gente vendendo ou saiu uma notícia ruim sobre ela, mas no longo prazo de uma empresa promissora que pode gerar lucro.

Anote do lado da sua planilha de Investimentos – se você não tem uma, é importante que você tenha para poder controlar seus investimentos – o motivo pelo qual você investiu naquela ação, o motivo pelo qual você fez aquele investimento e volte nesta anotação sempre que você estiver em dúvida, principalmente quando o preço daquela ação caiu bastante. Volte, leia o motivo, se for necessário faça novamente a sua análise para saber se você mantém ou vende, mas não venda ou compra um determinado investimento simplesmente porque caiu. Assim você consegue evitar esse viés da ancoragem.

 Viés comportamental do custo afundado

Outro viés comportamental bastante presente no mundo dos investimentos é o viés do custo afundado.  Gosto bastante desse viés pois ele está presente em quase todos os momentos.  Ele se refere à tendência daquele investidor ser extremamente resistente a abandonar aquela ideia por conta de toda a disponibilidade de tempo e dinheiro. Já que estou investindo nessa empresa há 2 anos, não posso abandoná-la agora, mesmo que todas as informações sinalizem o contrário.

Isso pode ser extremamente prejudicial para os investidores, justamente pela possibilidade de associação desse viés com o viés da confirmação, sobre o qual falaremos adiante. As vezes de você lidar com o patrimônio, seja procurando um Multi Family Office, ou fazendo por conta própria, que provavelmente será melhor do que continuar no banco, você tende a não fazer nada pois você dedicou bastante tempo à essa relação, mas isso pode comprometer bastante a administração do seu patrimônio.

Viés comportamental da confirmação

Outro viés que está muito presente é o da confirmação, o qual tende a absorver, lembrar e dar mais peso para as informações que confirmam o seu ponto de vista em detrimento de outras informações que vão em desacordo com o raciocínio que você tenha. Isso é muito presente em discussões políticas, onde pessoas muito fanáticas por um determinado partido político, por exemplo, tendem a ler somente informações que se aproximam de seus posicionamentos.

Se aquele determinado político ou partido com o qual a pessoa tem afinidade faz um monte de coisas erradas, mas faz uma ou outra boa, a pessoa vai tentar sempre olhar as coisas boas mesmo que muito pouco relevantes comparadas com as coisas ruins que foram feitas.

Normalmente o custo afundado aparece conjuntamente com o viés da confirmação como falamos anteriormente. Por exemplo, se em um determinado investimento você se dedicou com muito tempo e energia, procure ver se você não está tendo algum tipo de viés de confirmação também, procurando somente notícias boas para permanecer no investimento ou para justificar sua decisão de permanência.

Em que suas decisões se baseiam?

E você, imagina que toma decisões de uma maneira mais próxima do sistema 1, de maneira mais emocional e reativa? Ou se aproxima mais do sistema 2, para, pensa e tenta tomar uma decisão mais acertada?

Será que as decisões que você toma não são decorrentes de vieses comportamentais para que você consiga pelo menos justificar de uma maneira sensata as decisões que você toma?

Nesse artigo falamos sobre quatro grandes vieses que estão presentes a todo momento, inclusive a respeito de investimento e sobre como você consegue evitá-los, sendo o primeiro passo identificar que eles estão presentes a quase todo momento.

Leia também: Como investidores sem a inteligência de Isaac Newton conseguem resultados impressionantes

Siga nosso Instagram: @overclubfamilyoffice 

Compartilhe:

Publicado por

Walter Moreira Neto, CFP®

Graduado pela Macquarie University (Business) e Masters em International Business pelo International College of Management Sydney (ICMS), morou em Shanghai, China, onde concluiu sua tese "Real Estate in China" pela Fudan University.
Sócio-fundador do Overclub Family Office e Ryde Corretora de seguros, é Consultor de Valores Mobiliários autorizado pela Comissão de Valores Mobiliários (CVM) e Planejador Financeiro, CFP®️

Overclub Falily Office

Deixe um Comentário