4 passos a considerar antes de fazer a saída definitiva do Brasil

Overclub Falily Office

Se você já considerou fazer a saída definitiva do Brasil e ir morar fora, é muito importante que você leve em consideração alguns pontos para que essa mudança não se transforme em um pesadelo.

Aliás, você não está sozinho nessa, segundo o Itamaraty nunca houve tantos brasileiros morando fora como agora. Hoje vamos falar sobre 4 pontos importantes que todo brasileiro deveria considerar antes de mudar permanentemente do Brasil.

Se preferir, assista ao vídeo

 

Os 4 passos a considerar antes da saída definitiva do Brasil

Vou falar sobre 4 passos bem importantes que recomendo ter atenção se a ideia for realmente sair do Brasil.

Se você pensa em sair do Brasil por um período de pelo menos 12 meses, é importante que você avise à Receita Federal e que esteja em linha com as exigências aqui do Brasil.

Atente-se à Receita Federal

Uma dessa exigências é informar à Receita Federal sobre a sua saída definitiva do Brasil, exatamente para que você não pague imposto aqui e no lugar que você está indo evitando assim a bitributação.

Existem muitos países que já tem acordo de reciprocidade com o Brasil, por exemplo, Portugal, que é o segundo maior destino dos brasileiros tem esse tipo de acordo, assim como a Alemanha e Reino Unido.

Os Estados Unidos – sendo este o maior destino dos brasileiros – não tem um acordo de reciprocidade, mas tem um acordo com a Receita Federal que também evitaria a bitributação.

Se você não fizer isso, além de multa, você corre o risco de ter as operações e CPF bloqueados, então é bem importante sair em linha, deixando tudo certo para poder sair em paz.

Se você após fazer a saída definitiva quiser investir no Brasil, vai precisar abrir uma conta de não-residentes seguindo a norma 4373.

Então o que acontece, alguma instituição financeira vai passar a ser seu representante legal perante os órgãos e a CVM e formar as operações que você está fazendo.

Como tem um custo de compliance alto para essas instituições fazerem isso, o custo para você manter uma conta numa corretora, por exemplo 4373, chega a ser de 5000,00 reais.

É importante também você entender qual o motivo de você querer investir no Brasil, visto que existem outras maneiras de investir no Brasil sem ser através de instituições brasileiras.

Por exemplo, no exterior, vamos supor que você esteja nos Estados Unidos e com uma conta ativa numa corretora dos Estados Unidos, você pode investir em praticamente qualquer lugar do mundo: no Brasil através dos ETFs, você pode comprar EWZ, que é um ETF que replica a bolsa brasileira, pode investir em Bonds como se fossem títulos de renda fixa emitidos por empresas, tipo Debêntures, das empresas brasileiras – Petrobras, Itaú – Enfim, é muito comum as grandes  empresas se capitalizarem com dívidas no exterior também, principalmente aquelas que estão no índice do IBOVESPA.

Tem outras formas, inclusive você pode investir nas ADRs, que são recibos de empresas brasileiras negociados no exterior.

Tem formas de se expor ao mercado brasileiro morando fora, sem necessariamente precisar ter uma conta em reais e pagar essa fortuna de 5000,00 reais e ainda ter algumas limitações.

Tenha um bom planejamento financeiro

O segundo ponto é você ter um bom planejamento financeiro. Morar no brasil e morar fora, são coisas completamente diferentes no que diz respeito ao seu estilo de vida. Primeiro, como você está indo para um novo lugar, você vai ter um novo estilo de vida que, provavelmente, você não tem muita ideia de como vai ser.

É importante você parar nesse momento e pensar sobre como vai ser esse novo estilo de vida, como você vai bancar ele e quanto ele vai custar. Como vai ser a sua renda? Você vai usar dinheiro dos seus investimentos ou vai usar dinheiro do seu novo trabalho?

Como você vai bancar a sua saúde, por exemplo, você que vai bancar isso, ou vai ser a empresa onde você trabalha? Montar isso e ter claramente quanto você vai gastar é um primeiro passo para você saber o que vem a seguir.

Aumente a liquidez e permita-se errar

O terceiro passo é aumentar a liquidez. Permita-se errar. É muito comum que as pessoas que saem em definitivo do Brasil acabam por retornar por conta de diversos motivos, – saudades da família, oportunidades que não deram certo lá ou até questões de adaptação.

Nesse momento é bem importante que você aumente o nível de liquidez que você tenha para dar margem para erros.

Prefira tomar decisões reversíveis neste momento, já que é mais fácil complicar um planejamento do que descomplicar. Por exemplo, no primeiro ano, ou durante o tempo que for necessário, ao invés de comprar um apartamento, talvez seja melhor morar de aluguel até ter uma convicção maior de que sua vida realmente é para aquele lugar. Aí sim você consegue tomar decisões mais assertivas.

No planejamento patrimonial é assim que seguimos, conforme aumentamos a convicção do futuro conseguimos tomar medidas mais fixas e eficazes, evitando assim complicar o planejamento patrimonial.

Tenha sua renda na mesma moeda que o seu custo

Por fim, mas não menos importante, o quarto passo, ou quarto ponto é se seu custo for em dólar, que a sua renda seja na mesma moeda. Já parou para pensar sobre o seu planejamento financeiro?

Vamos supor que a sua renda seja dos seus investimentos. Imagine o seguinte: antigamente para se fazer qualquer tipo de troca comunitária para comprar um produto. Tinha um cara que plantava batata e queria trocar por feijão.

Eles fariam a troca se o cara da batata quisesse o feijão. Se ele não quisesse, o cara da batata teria que descobrir o que o produtor de feijão quer.

Supondo que seja milho, ele teria que tentar uma troca das suas batatas com o produtor de milho para enfim conseguir seu feijão. Muito complicado! Se muitas pessoas quisessem milho, você teria que trocar uma maior quantidade de batatas por uma menor de milho…

O dinheiro veio exatamente para facilitar essa troca entre as pessoas. Quando você está nos Estados Unidos, por exemplo, com seus reais no bolso e vai na mercearia, o dono do mercado não vai aceitar.

Você vai precisar ir em um lugar vender seus reais e comprar o dólar pelo valor que esteja sendo negociado na hora para enfim poder fazer sua compra na mercearia. Para você não ficar exposto à variação e comprar mais ou menos produtos e serviços por conta disso, é importante que você tenha sua renda baseada em dólar, nesse caso.

Para não fazer nenhuma atitude irreversível, você pode começar com 50% da sua renda/patrimônio em dólar e ir mudando isso conforme for adquirindo convicção com a sua permanência no exterior, até chegar aos 100% possivelmente.

Esses foram os 4 pontos que você deve considerar antes de fazer a saída definitiva do Brasil. Se você gostou, deixe seu comentário, compartilhe esse artigo com alguém que precisa dessas dicas também e boa viagem!

Leia também: Vendi minha empresa, e agora?

Siga nosso Instagram: @overclubfamilyoffice

Compartilhe:

Publicado por

Walter Moreira Neto, CFP®

Graduado pela Macquarie University (Business) e Masters em International Business pelo International College of Management Sydney (ICMS), morou em Shanghai, China, onde concluiu sua tese "Real Estate in China" pela Fudan University.
Sócio-fundador do Overclub Family Office e Ryde Corretora de seguros, é Consultor de Valores Mobiliários autorizado pela Comissão de Valores Mobiliários (CVM) e Planejador Financeiro, CFP®️

Overclub Falily Office

Deixe um Comentário